Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Orquestra Opus homenageia Vivaldi e Vittorio Monti
18/07/2018 17:09 em Música

Orquestra faz única apresentação no CCBB de Belo Horizonte - Foto: Divulgação

 

A Orquestra de Câmara Opus homenageia os compositores italianos Antonio Lucio Vivaldi, que este ano completaria 340 anos; e Vittorio Monti, que chegaria aos 150 anos. Diante disso, a Orquestra, sob o comando do maestro Leonardo Cunha, faz concerto com 14 músicos, com enfoque no violino. A apresentação terá importantes obras do repertório violinístico como o Inverno das Quatro Estações de Vivaldi e a peça “Czardas” de Vittorio Monti, que é uma obra muito conhecida pelo seu caráter virtuosístico e cigano. Os primeiros violinos foram feitos na Itália e assim, esses dois compositores italianos foram selecionados para receberem a homenagem. Completando o programa da noite, haverá um concerto duplo, para violino e cravo, de J. Haydn, no qual o violinista Edson Queiroz terá solando, ao seu lado, a esposa e pianista Valéria Gazire, e ainda uma serenata para cordas do compositor britânico Elgar, obra que a Orquestra  Opus já registrou no seu segundo CD. O concerto erudito será no teatro do CCBBBH, dia 25 de julho (quarta-feira), às 20h. Ingressos já estão à venda a R$ 20,00 a inteira.

 

 

Edson Queiroz nasceu em Ubá (MG). Foi aluno de Mário Vieira, José Mattos, Maria Durek e Paulo Bosisio.  É  Mestre em Artes e Doutor em Música na área de Pedagogia e Performance do Violino, pela Universidade de Iowa (EUA), sob a orientação de Leopold La Fosse. É professor de violino pela Universidade Federal de Minas Gerais, e tem participado como professor de vários Festivais pelo Brasil. Como solista e spalla, atuou em várias orquestras pelo país e no exterior, tais como da Orquestra do Festival Bach, em Iowa City (EUA), da Orquestra do Festival Internacional de Cochabamba (Bolívia), e da Orquestra de Câmara Lobo de Mesquita na embaixada brasileira em Paris, durante o 18º Salão do Livro. Como camerista, integrou o Quarteto de Cordas da EMUFMG (1989-94), apresentando-se em importantes espaços culturais do país, estreando peças de compositores nacionais tais como Oilian Lanna, Rufo Herrera e Roberto Victorio.  Integrou também o Grupo de Música Contemporânea da Escola de Música da UFMG (1992 – 2000), o Trio Novarte (1994-2000), e o Oficina Música Viva – Grupo Instrumental, apresentando-se regularmente nos espaços culturais brasileiros e também no exterior: no Brazilian-American Cultural Institute, em Washington D.C. e na Escola de Música da Universidade de Iowa, EUA (1995). Integra o duo violino/piano com sua esposa, a pianista Valéria Gazire.

Valéria Gazire é pianista, natural de Belo Horizonte, aperfeiçoou-se em música de câmara na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos. Como solista apresentou-se com a Orquestra Sinfônica Brasileira (RJ), a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, a Orquestra de Câmara Sesi Minas, a Camerata Jovem da FAMES – Faculdade de Música do Espírito Santo, e a Orquestra do 10º Festival de Cordas Nathan Schwartzman (Uberlância, MG). Como camerista integrou duos e trios ao lado de importantes músicos brasileiros e estrangeiros, entre eles: Ole Bohn (Noruega), Nancy Ucher (EUA), Odete Ernest Dias (França-Brasil), Leopold La Fosse (EUA), Tadeu Coelho (EUA-Brasil), Benjamim Coelho (EUA-Brasil), Milton Masciadri (EUA-Brasil), Omar Guay (EUA-Brasil), Gustavo Lange Fontes (SC), Edson Queiroz (MG), Paulo Bosisio (RJ) e Edson Scheid (EUA-Brasil).  Apresentou-se como camerista no Brasiliana American Cultural Institute, em Washington D.C. na Universidade de Iowa (EUA), e nos festivais de música de Ouro Branco, Juiz de Fora, Campos dos Goitacazes, Uberlândia, Divinópolis, Gramado In Concert, e o 6º Festival de Maio em Belo Horizonte.

 

ORQUESTRA DE CÂMARA OPUS

 

 

 

Desde 2006, a Orquestra de Câmara Opus já se apresentou em mais de 100 cidades de oito estados brasileiros. Em 2007, o projeto Orquestrando o Brasil resultou na gravação de um CD cujo repertório foi escolhido a partir das músicas de maior identificação do público nas apresentações da orquestra. A partir do lançamento do CD “Orquestrando Brasil”, a Orquestra de Câmara OPUS foi convidada a apresentar-se fora do país, alcançando projeção internacional. Em 2011, a OPUS realizou quatro concertos no Peru – Lima e Cuzco – e também na Europa, em 2012, com quatro concertos na Alemanha – Munique, Potsdam e Berlim – e França – Paris. As apresentações levaram um pouco do trabalho da Orquestra para outros países e culturas representando com orgulho a beleza e riqueza da cultura brasileira.Também em 2011, a OPUS registrou peças de compositores britânicos em seu segundo CD. Neste álbum, a Orquestra gravou obras tradicionais do repertório camerístico escrito para orquestra de cordas, pelos compositores E. Elgar, G. Holst e B. Britten.

As orquestras de câmara são, por conceito, compostas por um número reduzido de músicos e instrumentos que as orquestras sinfônicas e filarmônicas. As orquestras de câmara foram criadas, tradicionalmente, para apresentações em locais menores e públicos reduzidos, mas não menos exemplar. 

 

Orquestra de Câmara OPUS faz concerto em homenagem aos compositores italianos Antonio Lucio Vivaldi e Vittorio Monti

Convidados: Edson Queiroz (violino) e Valéria Gazire (piano)

Classificação: Livre 

Data/horário: 25 de julho (quarta-feira), às 20h

Local: Teatro I – CCBB BH - Praça da Liberdade, 450 - Funcionários – Belo Horizonte (MG) - Capacidade: 264 lugares

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada) 

Clientes Banco do Brasil pagam meia-entrada - 

Venda de ingressos: bilheteria do teatro / ou www.eventim.com.br

Mais informações: (31) 3431-9400 I (31) 3431-9503

Ouvidoria BB 0800 729 5678
Deficiente auditivo ou de fala 0800 729 0088

Obs: O CCBB BH não tem estacionamento.
Redes sociais CCBB:(twitter)/@ccbb_bh . (facebook)/ccbb.bh . Site: bb.com.br/cultura

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!